Em reunião do CONSEG, superintendente da STTP clama por “segurança”, para população não ficar sem transporte coletivo.

Na tarde desta segunda-feira, 17, o superintendente da STTP, Félix Neto, participou de mais uma reunião do Conselho Municipal de Segurança Comunitária, desta vez na sede do Ministério Público.

Diante dos membros de várias entidades representativas da sociedade, o superintendente fez um caloroso relato da situação por que passa o sistema de transporte coletivo de passageiros, no tocante a falta de segurança durante a labuta diária dos operadores do sistema.

Apresentando um relatório dos 14 pontos com maiores ocorrências de CVP nos ônibus, o dirigente informou aos conselheiros, que diariamente a STTP tem recebido informações de cerca de seis ocorrências de CVPs – Crimes Violentos contra o Patrimônio – onde marginais travestidos de passageiros aguardam momentos oportunos para anunciarem assaltos e realizarem verdadeiros arrastões nos interiores do coletivo.

Na última quinta-feira, 13, um dos motoristas que operam a linha 101, na região do Bairro das Nações, fora alvejado no braço, e, desde então, encontra-se afastado  para recuperação e tratamento psicológico. Com este fato, infelizmente, os operadores têm se recusado a adentrar nesse local, mesmo com a determinação da STTP e da empresa operadora, afetando diretamente a vida dos usuários do sistema.

“Infelizmente foge da nossa alçada o cumprimento e adequação da segurança pública no interior dos coletivos, uma vez que não temos atribuições constitucionais acerca do mesmo, sofrendo, assim, com a república da violência. Neste momento, não sabemos se emitimos ou não uma ordem de serviço ao Consórcio Santa Maria para que cumpra, em sua totalidade, o percurso da linha com destino ao bairro das Nações. Que segurança terá o motorista. E a população, vai ficar sem ônibus?, comentou Félix Neto.

Após o relato atônito do superintendente da STTP, e corroborado pelo presidente do sindicato dos motoristas, Antonino Macedo, foi sugerido pelo secretário executivo do gabinete do Prefeito, Arquimedes de Castro, e acatado pelos demais conselheiros, que fosse emitido um documento resolutivo, destinado ao comando do 2º BPM, cobrando ações emergências e eficazes, objetivando garantir a ordem pública e de segurança para os que trabalham, ou os que se utiliza do transporte coletivo.

Ao final das exposições e representando a policia militar, o Major Guimarães, subcomandante do II BPM, ciente de toda situação exposta e atendendo aos apelos da STTP e dos membros do CONSEG, garantiu que um bem montado plano de ação já estava sendo executado desde as primeiras horas desta segunda-feira, a fim de inibir a ação da criminalidade, e garantindo a presença do transporte coletivo por toda a cidade, principalmente nos locais apontados como de maior incidência de violência urbana.

De acordo com o relatório apresentado pela STTP, alguns bairros requerem uma atenção maior atenção em virtude da grande quantidade de ocorrências que surgem dia-a-dia:

– Bairro das Nações / Monte Castelo  / Bairro da Glória  / Catolé de Zé Ferreira  / Catingueira / Mutirão / São Januário / Dona Lindú / Hospital da FAP / UEPB / Cuités / Alto Branco / Catolé – proximidades do Campestre, e algumas Regiões do Centro.

 

Assessoria de Imprensa 17/10/16

Quer imprimir esta publicação ?

COMPARTILHAR